Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) – Brasil o Pais do Futuro

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) – Brasil o Pais do Futuro

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é uma medida comparativa usada para classificar os países pelo seu grau de “desenvolvimento humano” e para ajudar a classificar os países como desenvolvidos (desenvolvimento humano muito alto), em desenvolvimento (desenvolvimento humano médio e alto) e subdesenvolvidos (desenvolvimento humano baixo). A estatística é composta a partir de dados de expectativa de vida ao nascer, educação e PIB (PPC) per capita (como um indicador do padrão de vida) recolhidos a nível nacional. Cada ano, os países membros da ONU são classificados de acordo com essas medidas. O IDH também é usado por organizações locais ou empresas para medir o desenvolvimento de entidades subnacionais como estados, cidades, aldeias, etc.

O IDH é um índice medido anualmente pela ONU com base em indicadores de renda, saúde e educação. O índice varia em uma escala de 0 a 1. Quanto mais próximo de 1, mais elevado é o IDH. O Brasil obteve 0,730  e  logo acima encontra Omã 0,731 ; São Vicente e Granadinas 0,733; Azerbaijão 0,734 e Bosnia 0,734.  Após temos Jamaica , Armênia, Stª Lucia e Equador  com 0,730; 0,729;  0,725 e; 0,724 Respectivamente

O Brasil está atrás de quatro países da América do Sul, como Chile (40º lugar), Argentina (45º), Uruguai (51º) e Peru (77º). Entre outros vizinhos, fica na frente de Equador (89º) e Colômbia (91º).

Do Blog – Gostaria de destacar um texto citado por RACHEL SHEHERAZADE..

De fato, o IDH cresceu, mas lento, lento demais para um país que promete tanto…
Quer saber? Nosso problema são as promessas.
Há quanto tempo não ouvimos que o Brasil é o país do futuro?
E por que será que esse futuro nunca chega?
Por que somos medíocres demais. Com visões tacanhas demais.
Nossos governos querem colher sem plantar, e não plantam por que outros colherão os louros no seu lugar.
Não investimos bem, planejamos mau, mas somos especialistas em milagres econômicos, esmolas sociais e efeitos especiais.
Para ir longe, é preciso mirar no alto.
Mas, ficamos pra trás por que o nosso alvo não é o futuro. É sempre a próxima eleição.

Fonte: G1;  Blog Rachel Sheherazade

731 total views, 2 views today

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *