Meteorito explode e cai na Rússia – a explosão foi precedida de um clarão extremamente brilhante.

Cientistas russos encontraram na beira do lago Chebarkul fragmentos de meteorito, que caiu na sexta-feira passada perto de Chelyabinsk.
Cientistas russos encontraram na beira do lago Chebarkul fragmentos de meteorito, que caiu na sexta-feira passada perto de Chelyabinsk.

A queda de um meteorito na Província de Chelyabinsk aconteceu na manhã de 15 de fevereiro. Uma série de fortes explosões na atmosfera, que acompanharam a queda desse corpo, fez com que a onda de choque quebrasse as janelas de muitos prédios.  Segundo dados recentes, mais de um mil pessoas ficaram feridas.

Conforme depoimentos de testemunhas oculares, a explosão foi precedida de um clarão extremamente brilhante. Em seguida, surgiu no céu uma esfera luminosa, deixando um largo rasto de fumo branco. A onda de choque quebrou as janelas de vidro de vários prédios. Os fragmentos que resultaram da desintegração atingiram ainda uma empresa de cimento de Chelyabinsk, tendo destruído algumas paredes e uma parte do telhado. Foram igualmente danificadas as linhas de transmissão elétrica.

O primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, reagiu à chuva de meteoros sobre os Urais. Segundo ele, o ocorrido é “prova de que não só a economia é vulnerável, mas todo o planeta.”

Se o meteorito tivesse uma dimensão maior, o número de vítimas e danos teria sido mais elevado. “Tivemos muita sorte”, considera o chefe do Departamento de Física e Evolução de Estrelas do Instituto de Astronomia, Dmitri Vebe.

“No sistema solar existem numerosos corpos celestes. A par dos planetas que conhecemos, existem corpos de tamanhos menores, de centenas de quilômetros a alguns metros. Naturalmente, estes corpos se colidem de vez em quando, podendo ainda colidir com os planetas, incluindo a Terra. Um corpo desse gênero entra na atmosfera a uma velocidade muito grande. Esta pode atingir, por vezes, dezenas de quilômetros por segundo. Durante a travagem nas camadas atmosféricas, tais corpos se aquecem, produzindo muita energia. Se o corpo for relativamente pequeno, poderá desintegrar-se e tal desintegração se assemelha a uma explosão. Os fragmentos mais resistentes caem e se denominam a partir daí de meteoritos”.

A Humanidade não aprendeu a prevenir a queda de meteoritos. Em diversos países, inclusive na Rússia, estão ativos os sistemas de rastreio, cuja eficiência deixa ainda muito a desejar, constata Oleg Malkov, chefe do Departamento do Instituto de Astronomia junto da ANC.

O Fato não possui nenhuma relação com o asteroide 2012 DA14 que aproximou-se da Terra a uma distância mínima de 27.7 mil quilômetros sem causar quaisquer incidentes.

“É um tema sério que deve ser estudado ao mais alto nível. Junto da ONU, foi criado um grupo científico especial que trabalha nessa vertente há já 5 anos. Os EUA instalaram telescópios especiais de alerta e não faço idéia por que é que eles não nos advertiram. É provável não terem reparado e o meteorito se escapou à vista. Ao que parece, ele vinha do lado do Sol que para nós constitui uma zona “morta”. Para pesquisá-la seriam necessários modernos e dispendiosos equipamentos espaciais”.

Por isso, para criar um sistema de alerta sobre a aproximação perigosa de objetos espaciais à Terra serão indispensáveis os esforços conjuntos dos maiores países do mundo. Os acontecimentos nos Urais comprovam o caráter atual da iniciativa russa, anunciou esta sexta-feira o vice primeiro-ministro Dmitri Rogozin.

4Russian meteorite by satelliteO meteorito caído em Chelyabinsk foi registrado pelos satélites americanos, afirmou um porta-voz da Universidade de Colorado. Segundo os cientistas, foi uma grande sorte os satélites terem passado sobre a área de emergência literalmente instantes após o acontecido. Várias fotos mostram o rastro de fumaça produzido pelo meteorito.Essas imagens vão ajudar a esclarecer os detalhes do ocorrido, pois é difícil fazer isso baseando-se.

 


Fonte: Voz da Russia

872 total views, 1 views today

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *